A grife italiana de roupas Benetton se tornou conhecida mundialmente, principalmente nos anos 90, por dois fatores principais: a equipe de Fórmula 1 da qual era proprietária e que chegou a conquistar 2 títulos mundiais com Michael Schumacher (1994 / 1995) e suas polêmicas propagandas veiculadas nos anos 90, chocando a sociedade com as fotos produzidas pelo fotógrafo Oliviero Toscani. Depois de um tempo usando uma publicidade mais convencional, a grife volta à carga com propagandas ainda mais polêmicas, com montagens de líderes mundiais trocando beijos.

Benetton: As polêmicas propagandas dos beijos

Os outdoors causaram grande polêmica e foram repudiados por quase todo mundo, em todos os lugares onde foram veiculados. Na campanha, intitulada Unhate, os líderes mundiais aparecem se beijando na boca. Ninguém escapou: Obama, Hugo Chávez, Angela Merkel, Nicolas Sarkozy e até o Papa Bento 16 e o imã da Mesquita do Cairo, Ahmed Mohamed el Tayeb aparecem nas cenas trocando as carícias.

Por mais que a campanha tenha o objetivo declarado de acabar com a cultura do ódio, creio que a Benetton exagerou. Nem tanto pelo fato de  algumas peças mostrarem beijo gay, mas por desrespeitar as pessoas, mostrando-as numa situação íntima que nunca existiu. É a provocação pela provocação: embora chame a atenção para a marca, não acredito que essa estratégia de marketing adotada pela Benetton ajude a vender mais moletons. A propaganda deve, sim, sempre instigar o pensamento e, se possível, despertar o senso crítico do consumidor, mas dentro de um código de ética conhecido por todos os publicitários, inclusive os da agência responsável pelas peças e os do departamento de marketing da Benetton.

Benetton: As polêmicas propagandas dos beijos

Papa Bento 16 e Ahmed Mohamed el Tayeb

Benetton: As polêmicas propagandas dos beijos

Mahmoud Abbas e Benjamin Netanyahu

Benetton: As polêmicas propagandas dos beijos

Angela Merkel e Nicolas Sarkozy

Benetton: As polêmicas propagandas dos beijos

Barack Obama e Hugo Chávez

Via Folha UOL

•••