Há tempos, quando a internet ainda engatinhava no Brasil e o YouTube ainda era um espermatozóide esperando a banda larga imperar para virar um embrião, lembro ter visto uma animação muito boa. Em seguida, vieram as seqüências e nosso protagonista, o Ios, nosso pequeno processador, deu o ar de sua graça. Tenho o prazer de apresentar, uma produção Primo Comunicação, Versão Brasileira Herbert Richards: Ios, a Saga de um Processador.

Tem vídeos no YouTube que valem a pena assistir apenas por entretenimento.
E não é que esses são aqueles que a gente assiste mais vezes e que mais gente assiste?
Cumprindo a função de entretenimento do YouTube, tenho a honra de apresentar “Japonesinha Cantando”. 😛

Perfume Perfume

Definitivamente, o filme Perfume: A história de um assino” causa uma estranha sensação ao espectador. Tudo bem que o filme tem uma (pouca) iluminação espetacular, uma atuação brilhante de Ben Whishaw como o pro(anta)tagonista Jean-Baptiste Grenouille – e, como denuncia o nome do protagonista, se passa em Paris – e um ‘roteiro’ bastante interessante, bem amarrado. Lembra até um pouco de Dostoiévski e Franz Kafka, mas com um pouco mais de pé no chão.

Dirigida por Tom Tykwer, a obra, adaptada do livro de mesmo nome – do autor Patrick Süskind – com participação de Dustin Hoffman, trabalha com o sentido humano menos explorado em todas as mídias. Obviamente, o olfato.

Em um livro, que constrói histórias apenas com o verbo, é mais fácil trabalhar com os sentidos, seja qual for, pois eles serão utilizados no âmbito da imaginação. Até o impossível se cria com um jogo de palavras. E pode parecer extremamente real, ou, nas mesmas proporções, fantástico.

Perfume Perfume Perfume Perfume Perfume Perfume

Já no cinema, a imaginação é podada pelas imagens em seqüência e pelo áudio. Ou não. A criatividade poderia trazer o olfato diferente do já criado e repetido principalmente em propagandas de cosméticos.

O filme não deveria se chamar Perfume, mas sim ‘Desodorante’. Em uma cena o verbo põe as asas de fora, mas a seqüência adiante revela a propaganda da Axe, ou pior, do Avanço. ‘Com Avanço, elas avançam’. :S Revela a orgia no paraíso.

Interessante. Assistir Perfume é como ouvir Rádio – com excessão das músicas. Só a imaginação pode suprir a deficiência da mídia. Por mais que as imagens queiram podar a imaginação, só ela pode trazer os aromas do filme.

So she said what’s the problem, baby…

Shrek The Third

O problema é que o novo filme da Dreamworks Animation, Shrek Terceiro (Shrek, The Third. 2007) surpreendeu positiva e negativamente, redundantemente opostos. A película está mais triste, mais sombria. O Shrek está mais maduro – ou pelo menos é forçado a ser com a chegada dos trigêmeos. O burro está calado. Por incrível que pareça. Está.

Shrek - FilhosQuem assiste se pergunta: Onde foram parar aquelas piadas inteligentes, marca registrada do Shrek? Shrek Terceiro ganhou em animação e efeitos, mas perdeu em trilha, em humor, em estilo. Ganhou o que qualquer animação pode ter, perdeu aquilo que somente existia em Shrek, aquilo que lhe era único. O Bussunda fez falta. Parecia que o roteirista havia feito uma sequência pensando nele, mas não contava com aquele fatídico dia de copa do mundo. Mas o dublador original – leia-se que o Bussunda que substituiu ele no primeiro filme, mas aí são outros 503º – não fez feio. Ou melhor, bem fez o feio, o ogro.

O Pinochio deu um ar de Shrek a um filme que mais pareceu mais um continho com lição de moral daqueles que o Shrek satirizava. Façamos então um filme para tirar sarro do Shrek Terceiro, como é feito no segundo e no primeiro. Quem sabe a intensão não é criar os já anunciados quarto, quinto e sexto filmes para satirizar o Terceiro? Tão tão estranho é ver aquela frase de bom moço vinda de um monstro repetida por um garoto sem jeito tocando os corações de outros monstros, esperar a sátira e não vê-la. É… surpreendeu!

Teria Shrek sido comprado pela Disney? Não, não…
Sabemos que foi a crise dos 3, ou dos… Terceiros!

Shrek - FionaAs expectativas foram frustradas. As ‘Panteras’ – Cinderela, Branca de Neve, Rapunzel e Bela Adormecida – são chatas e os bebês só dão o ar de suas graças no fim. Assim… no finzinho mesmo. Se você quiser ver todas as piadas do filme, basta assistir ao trailer. É tão… tão… distante daquilo que era Shrek antes. Está tudo lá. Em um trailer. Coisa inimaginável nos dois filmes anteriores – ou teria que ser feito um trailer de 50 minutos para cada.

As imagens impressionam, a saudade é quase sanada.
São as impressões de quem foi assistir ao Terceiro Shrek, mas só viu o primeiro Shrek sério.

Letra (Lyric): Groove Armada – Superstylin

Enter in the dance, Plug it in an we begin
Crowd up in the center, they watch (be dibidim)
Watch the way we drop it in a mix timing
Rise and amplifying when we come in wit the swing
Just following the back an naturally harmonizing
Climb into position wit synchronized things
Live from out the ghetto, We maximizing
Sound of the Groove Armada, We Super styling
We Super styling…

Sometime…Can you feel the pressure does unwind (sound weird)
Sometime…Sometime…Trough the day and trough the night
Sometime…Sometime…You can make our pressure does unwind (this too)
Sometime…Sometime…Its for your spirit and your mind
Sometime…

That´s how we drop it (on the up on the line)
One time lyrics that must tick on your mind
Pop a bass line, I’ll go (prop on prepay)
My MC super, I’ll go double on the right
Go double on de right…

From up the crater make the music play in time…
Baby just recline…
Worldwide…