De acordo com dados levantados pela empresa de segurança na internet, Bitdefender, o volume de mensagens caracterizadas como SPAM tem diminuído. A boa notícia, porém, bate de frente com o aumento no número de mensagens contendo anexos maliciosos.

Bitdefender
Foto: Free Digital Photos.

Segundo o estudo, o envio de mensagens indesejáveis apresentou queda de 16%, no período que vai do último trimestre de 2011, até o primeiro trimestre de 2012. Em contrapartida, foi registrado um aumento de 4% no número de anexos maliciosos presentes em e-mails, durante janeiro de 2012 e comparado com o mesmo período do ano anterior.

A empresa, reconhecida por oferecer softwares de segurança, além do melhor antivírus pago do mercado de acordo com a organização independente AV-Test, revelou com o seu estudo que, com a diminuição do envio de SPAM e o aumento de ameaças em anexos enviados por e-mail, os internautas precisam continuar atentos e se precaver.

Onde se escondem

O estudo da Bitdefender informou que, dos 264,6 bilhões de e-mails considerados SPAMS enviados diariamente, 1,14% carregam anexos em suas mensagens. Dessa porcentagem, cerca de 300 milhões são, na verdade, anexos maliciosos.

Entre esses anexos, a maioria pode esconder ameaças como malwares, trojans e, mais frequentemente, worms capazes de se alastrar por toda a rede de contatos do usuário. Além disso, sob a forma de phishing, muitos desses anexos são responsáveis por enganar o internauta, fazendo-o compartilhar dados e digitar senhas que caem diretamente na mão de golpistas.

Antivírus
Foto: Free Digital Photos.

Ameaças mais frequentes

Com a intenção de facilitar a tarefa do internauta ao buscar recursos para se proteger de golpes virtuais, a pesquisa da Bitdefender também levantou os cinco principais tipos de malware comumente disseminados através de e-mails de spam. São eles:

1º MyDoom: trata-se de um worm responsável por infectar a caixa de entrada de e-mail de inúmeros internautas, sendo frequente ainda em ataques a sites de empresas e contra os próprios softwares antivírus. Espalhada por meio de e-mails aparentemente habituais, a ameaça carrega anexos maliciosos, responsáveis por auto enviar o worm a todos os contatos encontrados;

2º Genérico do “Javascript downloader”: disfarçado sob a forma de um JS escondido dentro de um anexo HTML, esse malware carrega conteúdos maliciosos de servidores de terceiros, comprometendo todo o sistema da máquina. A ameaça se alastra com a abertura do anexo HTML, fazendo com que o Javascript execute um iframe na mesma página do HTML;

3º Netsky: semelhante ao MyDoom, o malware se auto envia para todos os endereços de e-mail encontrados e se dissemina via FTP, P2P ou arquivos compartilhados. Utiliza tags variadas para atrair o usuário, passando de transações financeiras a declarações de amor. Ao clicar no anexo, o internauta ainda é surpreendido com uma falsa mensagem afirmando que “nenhum vírus foi encontrado no sistema”;

4º Mytob: mais um worm, responsável por abrir um backdoor e expor o sistema infectado à invasão maliciosa de terceiros. Age também impedindo o usuário de se conectar a sites fornecedores de soluções de segurança;

5º Bagle: o worm se auto envia para contatos encontrados no sistema comprometido e baixa novos endereços de e-mail de listas incorporadas de localizações online. A ameaça é capaz ainda de realizar downloads e executar arquivos de uma série de sites maliciosos.

Atenção redobrada

Para se proteger, o internauta precisa redobrar sua atenção ao ler e-mails e baixar arquivos anexados. Mesmo que o remetente seja uma pessoa conhecida, caso o conteúdo seja suspeito ou diferente o comportamento usual do conhecido, pergunte antes de fazer o download. Além disso, um bom antivírus instalado em seu computador é sempre bem-vindo.

Este artigo é um oferecimento de Bitdefender.

1 comentário

  1. Benedito
    24/06/2012 às 2:14 am [+]

    Impressionante como, mesmo com o avanço dos programas que barram spam, continuamos a receber notícias de todos os tipos. Parece que as pessoas estão mais espertas, mas a julgar pelo que ainda acontece, o panorama é favorável para a disseminação dos vírus.